FALTA DE LIMITES?

O velho sábio não é o velho ranzinza, mas o velho contador de estórias. Sabemos disso intuitivamente e pelo trato cotidiano. O velho ranzinza não tem nada a dizer: a única coisa que sabe fazer é justamente tornar a convivência mais e mais insuportável por meio de uma infinita e implacável imposição de regras. Tudo que o velho ranzinza sabe fazer é reclamar da ausência de cumprimento dessas regras – muitas vezes contra o bom senso – e importunar pela sua efetivação. O velho contador de estórias, ao contrário, é o que geralmente gargalha diante da violação da regra, que sabe ser coisa “da idade” e engata uma curiosa estória diante da situação, tornando a convivência mais leve e agradável.

A diferença entre o velho contador de estórias e o velho ranzinza é aquela que permite afirmar ter a burguesia, nos últimos três séculos, promovido aquilo que os frankfurtianos (em especial Benjamin e Adorno) chamam do “declínio da experiência“. O que está em jogo aqui não é nada menos que a própria vida.

Gradualmente, a fonte do saber prático que Aristóteles, p.ex., chamava de phrónesis e, em termos gerais, tratarei como “sabedoria” foi se perdendo em nome da “disciplina”. Como Foucault bem percebou, a sociedade burguesa é antes de tudo uma sociedade disciplinar, em que tudo é submetido a uma série de regras. A juridicização da vida – hoje em voga pela “judicialização da política” – é na verdade um impulso muito mais antigo que consiste na formalização das esferas do viver que poderiam ser a fonte de experiências. Os modernos chamam isso de “racionalização”. De certa forma, e apesar de reconhecer a grandeza do filósofo, foi Kant quem deflagrou com maior intensidade esse fenômeno ao transformar a ética – quer dizer, a busca da felicidade (boa vida) – em deontologia – tábua de deveres. A ética kantiana é a judicialização extrema da vida, a normatização absoluta, daí a resposta mordaz e antikantiana de Nietzsche, que procurou exatamente libertar a vida de qualquer relação com a norma. Toda ética e filosofia política que se queiram chamar de “modernas” tentam exatamente normatizar a vida.

Ora, esse infinito regramento que cai sobre todas as situações é justamente aquilo que transforma a forma sadia da vida (experiência narrável) em forma danificada (disciplina). O velho burguês é o velho ranzinza, aquele que deseja disciplinar a tudo e a todos e com isso destruir a própria possibilidade da vida, que é exatamente chance de experimentar algo diferente, outro. O velho contador de estórias, ao contrário, é aquele que se preocupa menos com as regras do que com a transmissão da experiência a partir da narração, compartilhando sabedoria com os mais jovens. Todos nós já vivenciamos situações com velhos ranzinzas e velhos contadores de estórias e sabemos diferenciar ambos.

Dito isso, vem a provocação: será que não estamos errados ao tentar explicar a situação da juventude atual pela “falta de limites”? A psicanálise, p.ex, que é um discurso pautado muitas vezes pelo falocentrismo, colocando em evidência a figura do Pai, não consegue sair de uma explicação que atribui algumas facetas perversas do sujeito contemporâneo à “falta de limites” (falta de regras, de um super-ego repressor, de “autoridade”). Mas que “autoridade” é essa que falta? Não será exatamente a juventude um período inventado enquanto transgressor? Nesse caso, transformar os jovens em “indivíduos responsáveis” e daí por diante não é, em outros termos, exterminar sua juventude? A obsessão persecutória sobre os comportamentos jovens na atualidade não é, no fundo, algo policialesco que reafirma exatamente aquilo que a Geraçã0-68 conseguiu derrubar? Em termos mais diretos: não é estranho que discursos emancipatórios estejam ao lado do neoconservadorismo mais ferrenho nesses casos?

Depois de muito refletir sobre esse tema, começo a suspeitar que o problema está no foco da observação. Talvez não devêssemos atribuir as formas mais perversas da juventude de hoje em dia à “falta de limites” ou ao “narcisismo juvenil”, como eu próprio já defendi, mas a incapacidade da sociedade atual de produzir velhos sábios. Se a sabedoria é o saber prático da vida, é aquele que é experienciado e narrado enquanto tal, o declínio da experiência na sociedade burguesa pode significar, em outros termos, que o vazio não está na ausência de regras (limites), mas exatamente em se pensar a vida apenas a partir de regras, ignorando que a experiência vital é mais rica do que isso. Nesse caso, a perversidade de algumas formas é, apesar de tudo e como dizia Marcuse, um protesto com o princípio da realidade que nos comanda. Um protesto desordenado, às vezes perverso e até cruel, mas ainda assim um protesto que se traduz na absoluta transgressão de toda e qualquer norma.

Um pensamento que se pretenda relevante na sociedade do espetáculo que coloniza e empobrece drasticamente a vida deve reagir ante essa condição, apresentando não apenas a alternativa da transgressão, que mantém a norma em plena vigência como reflexo invertido, mas da desativação de toda e qualquer norma que pretenda formalizar a vida, contrapondo a ela a verdadeira experiência.

Anúncios

4 respostas em “FALTA DE LIMITES?

  1. Ontem eu e a Mari ficamos até tarde na Praça da Matriz conversando com um velho sábio e bêbado. Quem puxou a conversa foi ele, claro. Ao final tivemos uma sensação muito boa, ganhamos a noite. Só fomos embora pra não precisar aguentar a parte final do Tangos e Tragédias, que acontece por ali.
    Dia desses uma moradora do lado feio da cidade (Porto Alegre torna-se feia no sentido Centro-Bairro) disse que a Praça da Matriz era uma minicracolândia, lugar perigosíssimo….

  2. apesar de concordar com o que foi dito no post, me preocupa o fato de o autor escrever sobre velhos…
    estaria ele mesmo se sentindo um? e eu que sou papai, devo sentir o quê?
    diante das últimas recusas em quebrar tudo, temo pela tua juventude de espírito.
    FALOcetrismo? que nojo…tu e o Gabriel com esses falos…eu não falo nisso, só falo com meu falo.
    como diria o meu despertador do celular, “é hora de levantar!”.

  3. O texto todo esta excelente, mas ali na parte do “formalização das esferas do viver que poderiam ser a fonte de experiências” eu deixei para tras SAIS e MINERAIS e EVAPOREI rumo ao Olimpo. Divino. Ayy!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s